quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

O mito Sheherazade.



"Peraí", deixa eu ver se eu entendi direito. Essa tal de Sheherazade é aquela "jornalista" que até poucos dias atrás acionou a justiça para processar (e acredito que fez corretamente) um professor que se intitula filósofo por ter feito apologia ao estupro (no caso contra ela)? É a mesma que vive arrotando falácias no jornal do SBT e agora com esse vídeo vem dizer que a "atitude dos vingadores" (veja a força da expressão que apela até para filmes que chamam a atenção, como se os vingadores em questão fossem heróis") é compreensível? Então segundo o "pensamento" da brilhante jornalista, que considera que vivemos em uma "sociedade sem Estado" (não sei como pode sair tanta merda de uma boca em tão pouco tempo), legítima defesa se equipara à "justiça" com as próprias mãos, e quem considerar os vídeos da senhora em questão uma ofensa poderá agir por conta própria e amarrar a jornalista nua em um poste (como ela é uma cidadã de bem, ela não precisará fugir quando for solta, mas poderá prestar queixa, mas se ela prestar queixa ela estará apelando para a justiça do mesmo Estado que, segundo ela, se omite). Mas (sarcasm mode on) quem mandou o marginalzinho ser preto, pobre, favelado, não ter as mínimas condições oferecidas por esse Estado omisso que permitiu que ela, branca, bem nascida (e admito, acho bonita, hahaha) tivesse? Quanto aos justiceiros de plantão, ahhh, como adoro gente do bem, gente que limpa as ruas pra mim dessa sujeira imunda que torna a minha saidinha ao shopping tão perigosa quanto comprar pão, como amo esses justiceiros (a Marvel devia dar um prêmio pra Sheherazade). E pra terminar (ainda com o sarcasm mode on) gostaria de, assim como a gatinha do vídeo, lançar uma campanha, ADOTE UM POUCO DE BOM SENSO.


Vejam o vídeo, e tirem suas conclusões. E só pra mencionar, eu lembro de alguma coisa na História que fazia apologia à limpeza eugênica, tá falhando a memória agora, mas tenho certeza de que tá lá..., o que será?





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aliás, o que você pensa?